Se travarmos o disjuntor com a alavanca para cima e houver um curto-circuito, o disjuntor vai abrir ou vai ficar fechado mantendo o curto-circuito? Provavelmente você já viu ou travou disjuntor com arame, para não desarmar quando estivesse no banho por exemplo. Neste artigo mostramos o que acontece ser travar o disjuntor para ele não desarmar. Então vamos lá pessoa!

Disjuntor Travado

O disjuntor é um dispositivo de proteção eletromecânico que protege as instalações elétricas, desarmando automaticamente ao identificar uma corrente elétrica que ultrapassa o valor da corrente nominal do disjuntor ou curto-circuito. Em caso de curto-circuito ou sobrecorrente o disjuntor tem um sistema eletromecânico que desliga o circuito automaticamente. A operação manual de abrir e fechar o disjuntor é feita através de uma alavanca.

De acordo com a norma quando o disjuntor DIN estiver aberto, a sua alavanca deve estar posicionada para baixo. Existe um sistema interno do disjuntor, que tem uma mola para oferecer resistência ao fechar o disjuntor.

Mola que serve para oferecer resistência quando fechar o disjuntor.

Sistema interno do disjuntor.

Por causa dessa mola que ao fechar o disjuntor é preciso fazer mais força e subir a alavanca até o fim. Um ponto importante do disjuntor DIN é que se levantar a alavanca pela metade a mola não deixa o disjuntor fechar. Por segurança, para abrir o disjuntor o processo deve ser mais fácil, com apenas pouca força, a própria mola puxa a alavanca e o disjuntor abre.

O que acontece se travar o disjuntor?

Agora que já entendemos como funciona a alavanca do disjuntor DIN, vamos entender o que acontece se o disjuntor for travado com a alavanca para cima e eventualmente ocorrer um curto-circuito, ou seja, o disjuntor vai abrir ou vai ficar fechado mantendo o curto-circuito?

O nosso teste foi feito com o disjuntor conectado em um circuito elétrico. No primeiro teste vamos fechar disjuntor e encostar o cabo no polo de saída, dessa forma provocando um curto-circuito.

Fechar disjuntor e encostar o cabo no polo de saída, assim provocando um curto-circuito.

Primeiro teste sem trava no disjuntor.

Quando o disjuntor identifica o curto-circuito ele abre o circuito automaticamente, como deve acontecer! Observe na imagem abaixo que o disjuntor DIN tem dois furos, este é um detalhe que pouca gente conhece. Esses furos são para a instalação de uma trava de segurança que impede o disjuntor ser ligado sem autorização.

Furos são para a instalação de uma trava de segurança que impede que o disjuntor seja ligado sem autorização.

Disjuntor DIN tem dois furos.

Se você já estudou NR10, certamente vai se lembrar da necessidade de bloqueios elétricos. Mas infelizmente muitas pessoas por falta de conhecimento utilizam esses furos para o disjuntor não desarmar, que é um erro fatal que pode até levar à morte

No segundo teste, colocamos um arame travando o disjuntor fechado ao invés de aberto. O disjuntor está com a alavanca para cima indicando que o disjuntor está fechado.

Vamos realizar o teste de continuidade com o multímetro para comprova que o contato do disjuntor está fechado, em seguida vamos aplicar o curto-circuito. A alavanca desceu até a metade e parou na trava feita com o arame.

Após o segundo teste verificamos com o multímetro para ver se tem continuidade, ou seja, se o disjuntor está aberto ou fechado. Ao realizar o teste de continuidade com o multímetro, não foi possível ver a resistência elétrica, isso indica que disjuntor está aberto, ou seja, o disjuntor abriu mesmo com a trava.

Não foi possível ouvir o bip e nem ver a resistência elétrica.

Teste colocando um arame travando o disjuntor fechado.

Antes mesmo de tirar o arame tentamos empurrar a alavanca do disjuntor para cima, para fechar o disjuntor, mas a alavanca não fica! Isso é o que chamamos de disjuntor em trip. Para fechar novamente o disjuntor após ocorrer um trip é preciso deixar a alavancar abaixar completamente, para então conseguir fechar o disjuntor.

Fechar novamente o disjuntor, é preciso deixar a alavancar abaixar.

Trip no disjuntor, apos um curto-circuito.

No terceiro teste vamos levar o disjuntor ao extremo! Travamos a alavanca com a mão, forçando ela toda para cima, assim impossibilitando qualquer movimento da alavanca do disjuntor.

Vamos novamente aplicar o curto-circuito. Antes de soltar a alavanca vamos medir continuidade com o multímetro. Podemos ver que não foi possível ver a resistência elétrica, isso indica que o disjuntor está aberto.

E novamente não foi possível ouvir o bip e nem ver a resistência elétrica.

Terceiro teste travando a alavanca com a mão.

Então mesmo forçando a alavanca para cima o disjuntor desliga novamente. Após todos esses testes observe na imagem a abaixo como ficou o polo do disjuntor depois de todos esses curto-circuitos que provocamos no disjuntor, dá para perceber o estrago que um curto-circuito causa.

O polo do disjuntor depois de todos esses curto-circuitos que provocamos no disjuntor.

Polo do disjuntor carbonizado.

Depois destes testes dá para concluir que mesmo o disjuntor travado não impede o seu correto funcionamento em caso de curto-circuito. Porém mesmo com o disjuntor desarmando nunca utilize esse recurso para deixar o disjuntor ligado.

Um dos motivos para as pessoas usarem a trava de forma errada, é fato do disjuntor ficar desarmando por falta de dimensionamento. Neste vídeo do canal Mundo da Elétrica, mostramos como realizar o dimensionamento correto de um disjuntor.

Caso tenha ficado alguma dúvida ou curiosidade sobre o assunto, deixe nos comentários que iremos responder!

Deixe um comentário

  • (não será divulgado)